Notícia

Número de empresas inadimplentes cresce em novembro

Número de empresas inadimplentes cresce em novembro

Dados do Indicador de Inadimplência de Pessoa Jurídica, medido pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL), mostraram que o número de empresas com contas em atraso e registradas como devedoras aumentou 3,71% em novembro, comparado ao mesmo mês do ano passado, quando essa variação foi de 6,8%. Na comparação com outubro houve crescimento de 0,53%.

“Essa desaceleração ocorre mesmo em meio à crise econômica e reflete o ambiente de maior restrição ao crédito e menor propensão a investir, que trazem redução do endividamento. Para os próximos meses, espera-se que a atividade econômica siga uma lenta recuperação, e que os empresários permaneçam cautelosos devido ao cenário de grande incerteza política e econômica, o que deve manter o crescimento da inadimplência das empresas limitado”, disse o presidente do SPC Brasil, Roque Pellizzaro.

No caso das dívidas em atraso, o crescimento foi de 2,01% na comparação com novembro do ano passado, e de 33% ante outubro.“Neste último ano, a economia esboçou sinais de melhora e, aos poucos, o ambiente econômico deve começar a mudar tanto para os consumidores quanto para as empresas. Alguns setores retomaram as vendas e as taxas de juros cederam, tornando a renegociação de dívidas menos onerosa”, disse a economista-chefe do SPC Brasil, Marcela Kawauti.

Quando analisadas as regiões, o Nordeste lidera o crescimento da inadimplência das empresas, com crescimento de 3,8%, seguido pelo Centro-Oeste, que teve aumento de 3,5%. Depois aparecem as regiões Sudeste (3,30%), Sul (3,03%) e Norte (1,96%).

Entre os setores, o de serviços registrou a maior alta (5,91%) e o do comércio aumentou 2,3%, seguido da indústria (1,88%). As empresas que atuam no ramo da agricultura apresentaram um recuo de -1,70% no número de empresas negativadas.

Informações da Agência Brasil

Entrevista

Uma nova forma de consumir

Uma nova forma de consumir

O consumo colaborativo pode mudar o sistema de produção e economia globais? Para a pesquisadora Ana Cirne Paes de Barros, o mais provável é que as práticas hegemônicas continuem a existir, mas novas formas de consumo se espalhem de forma independente, proporcionando maior autonomia aos consumidores. 

Artigo

Pedágio da Via Bahia: 21,6% de aumento, 100% de desrespeito

Pedágio da Via Bahia: 21,6% de aumento, 100% de desrespeito

No Natal de 2016 os baianos receberam um belo presente da concessionária Via Bahia, que administra rodovias federais no estado: o aumento do pedágio em 21,6% na BR-116 e 16% na BR-324. Os reajustes foram autorizados pela Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT).

Vídeos

Rachel Botsman

Autora do livro "O Que é Meu é Seu - Como o Consumo Colaborativo Vai Mudar o Nosso Mundo", Rachel Botsman diz que estamos conectados para compartilhar. Em 15 minutos, ela tenta te convencer que o consumo colaborativo é o caminho.



Enquete

Você é a favor da legalização dos jogos de azar?


Ver resultado

Se ligue

Sua conta veio alta? Confira o que pode vampirizar sua energia

Sua conta veio alta? Confira o que pode vampirizar sua energia

Chuveiro na posição "inverno" consome 30% mais. Banhos mais curtos ajudam a economizar até 40%. Geladeira em má condição consome até 70% da conta do mês. Em casa ou no escritório, tire os aparelhos eletrônicos da tomada quando estão fora de uso, principalmente televisão, aparelhos de DVD/Blue-Ray e de som.